7 dicas para melhorar sua leitura de partituras

06-02-2012 19:57

 

Se alfabetizar musicalmente aprendendo a ler e escrever partituras é, sem sombra de dúvidas, uma ferramenta de enorme valia na evolução musical de qualquer músico ou estudante de música. Com esse conhecimento você será capaz de tocar qualquer música que deseje exatamente como ela foi escrita - claro que isso só acontecerá se você tiver a habilidade motora necessária para interpretá-la em seu instrumento. Você também poderá registrar suas composições ou fornecê-las para que seus amigos ou sua banda tenham a possibilidade de tocá-la corretamente.
 
Infelizmente, para melhorar sua leitura de partituras e chegar à tão sonhada fluência, não existem atalhos! Basicamente você precisará praticar, praticar, praticar, até que essa habilidade se torne automática, mas existem algumas dicas que podem tornar esse processo mais eficiente:
 
 
1.  Conheça muito bem os símbolos musicais
É muito importante que você conheça muito bem todos os símbolos envolvidos na leitura musical. A alfabetização musical é exatamente como a alfabetização convencional, sem conhecer todas as letras você jamais conseguirá ler um livro. Assim sendo, sem conhecer todos os símbolos musicais, como pentagrama, claves, valores musicais, acidentes, etc., você jamais lerá uma partitura de forma eficiente.
 
2.  Treine sem seu instrumento
Ao ler uma partitura pela primeira vez, treine-a primeiro sem seu instrumento. Analise a partitura que pretende tocar isoladamente, primeiro treine apenas suas divisões rítmicas, depois tente solfejar a música (cantar tentando respeitar as divisões rítmicas e a altura das notas), e só depois tente interpretar a música com seu instrumento. Garanto que você terá muito mais facilidade em tocá-la, e consequentemente, ficará muito mais animado para continuar estudando.
 
3.  Aproveite as pausas da música
Se você é demasiado lento para ler as partituras, poderá ganhar algum tempo extra aproveitando as pausas ou notas mais longas (quando houver) para se preparar para o próximo compasso. Quando você estiver executando uma nota muito longa ou esperando que uma pausa termine, você poderá aproveitar esses poucos segundos (ou milissegundos) para observar as próximas notas que deverá tocar. Assim, você ganhará um tempinho precioso para descobrir quais as nota que virão e quais seus tempos de duração.
 
4.  Pratique com músicas fáceis
Se você tem dificuldade de leitura, não adiantará nada pegar uma partitura dificílima, cheia de fusas e semifusas, com uma métrica todas quebrada, pontos de aumento pra todo lado, diversos ornamentos, etc. Você só irá se frustrar e desanimar. Seguindo a analogia com a alfabetização convencional, ninguém dá um livro do Guimarães Rosa para quem está aprendendo a ler, da mesma forma não será nada proveitoso tentar estudar uma música que está muito acima de sua capacidade atual. Escolha músicas fáceis para começar e conforme for sentindo seu progresso vá gradativamente aumentando a dificuldade das músicas escolhidas.
 
Com paciência e perseverança, tenho certeza que um dia você estará lendo as partituras mais “escabrosas” de “bate-pronto”.
 
5.  Pratique regularmente
Não adianta nada tomar a decisão de estudar teoria musical ou aprimorar sua leitura se você não fizer isso regularmente. Se você estuda hoje e depois fica 15 dias sem estudar, a única coisa que conseguirá é ficar andando em círculos, já que daqui 15 dias o que você viu hoje já terá sido esquecido e você precisará começar de novo. Assim você acabará começando dezenas de vezes e por não sair do lugar irá desanimar e desistir. É muito melhor estudar 10 minutos todos os dias do que 10 horas uma vez por mês.
 
6.  Estude de forma criativa
Estudar não precisar ser algo repetitivo e chato, seja criativo e invente formas diferentes para estudar e se livrar da monotonia o do marasmo. Você pode propor jogos ou desafios com algum amigo que também esteja estudando teoria musical para que a competição (por favor, competição saudável) crie um estimulo maior para cumprir cada um dos estudos. Vocês podem, por exemplo, disputar quem tocará uma frase musical de uma determinada partitura que não conhecem de forma mais precisa sem ouvir a música antecipadamente, ou ver qual dos dois transcreve um trecho de uma música pré-selecionada de forma correta, ou ainda propor um estudo em grupo onde cada um dos membros é responsável pela pauta de um dos dias, e por aí vai.
 
7.  Jogos e softwares
Na internet, não é muito difícil encontrar softwares (alguns gratuitos) que foram desenvolvidos com o propósito de ajudar os interessados a praticar não só a leitura musical, como diversos outros conceitos da teoria musical. Jogos específicos são bem mais difíceis de encontrar, e por esse motivo, acabamos desenvolvendo um webgame bem simples para aqueles que ainda têm dificuldade em saber qual é o nome da nota no pentagrama.

 

 

fonte:  http://www.pratiquemusica.com.br/7-dicas-leitura-partitura.jsp