Cantar melhora capacidade pulmonar, fortalece músculos e relaxa

20-04-2011 11:07

MANUELA MINNS

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Publicado em Caderno Equilibrio/Folha de São Paulo – p. 6 a 9 – 19/04/2011

 

Cantar é divertido, quem não sabe. E é bem mais que isso: mexe com várias partes do corpo, faz bem à saúde.

 

Para começar, quem canta melhora a capacidade pulmonar e o sistema imunológico, fortalece a barriga e alivia o estresse.

 

O professor Graham Welch, especialista em Educação Musical da Universidade de Londres e pesquisador, diz que o canto ativa o corpo e a mente.

 

Cantar é uma atividade física, psicológica, social e musical. Diferentes sistemas modulares no cérebro são usados para lidar com as características musicais do canto, como o tom, o ritmo e as letras, e integrá-las. "Há um entrelaçamento dos sistemas nervoso, endócrino e imunológico", diz ele.

 

O sistema nervoso é responsável pelo ato de cantar. Há também um envolvimento emocional com o som humano, desenvolvido na fase fetal, e um diálogo da pessoa com seu corpo, seu sistema respiratório e os espaços que oferecerá para essa voz soar.

 

"Cantar não é só da boca para fora. Todo instrumento tem espaço interno e externo de ressonância, inclusive o corpo. A voz preenche o corpo, a melodia e a letra que escolhemos", diz a fonoaudióloga Mônica Montenegro, professora da USP.

 

A neurologista Paula Viana Wackermann, que desenvolveu pesquisa pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto com cantores líricos, diz que a atividade induz a um estado de prazer.

 

O nível de cortisol (hormônio do estresse) fica reduzido, não importando se a pessoa é afinada ou não. "A sensação de bem-estar é aumentada pelo efeito sociopsicológico de fazer música como parte de um grupo", completa Welch.

 

Mesmo quem canta sozinho, acompanhando um CD ou iPod, sente esses benefícios. O sentido de se envolver em uma atividade compartilhada permanece. "Cansei de chegar triste ao karaokê e sair de lá muito bem", diz Jane Tapxure, 62 anos, dona de um pet shop. Com o fim do casamento de 30 anos, ela passou dois anos deprimida, chorando no sofá. Até que uma amiga a chamou para cantar.

 

Jane, que é fã de música italiana e Frank Sinatra, conta que voltou a sair de casa e a se arrumar. No karaokê, ela formou um grupo de amigos de idades variadas, que se encontra toda semana, comemora aniversários e faz festas temáticas, como Halloween e até do pijama. "É uma farra. Lá você não é julgado por ninguém."

IMUNIDADE

A cantoria ativa os sistemas cardiovascular e respiratório. O aumento da ventilação e da capacidade pulmonar melhora o condicionamento físico e mental.

 

Os músculos abdominais ficam fortalecidos e os faciais, tonificados. Estudos sugerem que cantores têm sistema de defesa melhor.

 

"Acredita-se que estados mentais positivos e de relaxamento induzidos pelo canto sejam responsáveis por um aumento na secreção da imunoglobulina A, responsável pela defesa contra infecções bacterianas ou virais das vias aéreas superiores", explica a neurologista Paula Viana Wackermann.

 

Mesmo quem não quer ou não está em condições de soltar o gogó pode se beneficiar da cantoria alheia. "Estudos apontam que escutar músicas prazerosas está relacionado à liberação de serotonina, que é o neuropeptídio da alegria, do prazer", afirma a neurologista Paula Wackermann.

 

O ato de fazer o bem ao próximo por meio do canto é praticado pelos hindus há séculos. As sessões de "kirtan", que são vocalizações de mantras em grupo, com instrumentos, são vistas como um ato de doação.

 

Exercícios para aquecer a voz

 A professora de canto Fernanda Gianesella, 54, que dá aula para músicos e não músicos, indica alguns exercícios de limpeza e aquecimento pré-cantoria.

 

Fazer o som de "brrrrr', como se estivesse com frio, é um deles. Essa vibração labial ajuda a renovar a mucosa das pregas vocais. Já o "trrrrrrrr", que imita um toque de telefone, é uma vibração lingual. "Qualquer pessoa pode fazer, principalmente quem fala muito e usa muito a voz, como cantores e professores."

 

Outra preparação é passar a língua entre os dentes e o lábio, fazendo um movimento circular, tanto para um lado quanto para o outro "Relaxa a língua e fluidifica a saliva, gerando um bem-estar vocal", diz a professora.

 

Cantar é 90% respiração. Para acordá-la, a dica é soprar imitando um inseticida, com jatos rápidos e curtos. "Segurar a barriga para ficar com o estômago chapado, muito comum entre mulheres, não é bom. É preciso movimentar o diafragma", diz a professora.

 

Em karaokês, a pessoa vai do som mais grave ao mais agudo, saindo de sua zona de conforto. Para alongar a voz, ela recomenda cantar uma música qualquer de boca fechada, com os dentes afastados e a língua solta na boca.

 

Cantar e fazer técnicas vocais, que é uma espécie de musculação do aparelho fonador e respiratório, preserva a juventude da voz, que fica mais tônica e poderosa. Ajudam a garantir boa voz ao longo da vida: não fumar e beber muita água.

 

Pigarrear é ruim, atrita as pregas vocais. "É importante pesquisar a origem do pigarro, pode ser refluxo, poluição e até alergia a perfumes e cosméticos", diz ela.

 

A neurologista Wackermann ressalva que o sistema respiratório pode ficar fatigado se a pessoa não está preparada para cantar. Atividades físicas ajudam a ter um fôlego maior. E vice-versa.

 

Cantoria ajuda a reorganizar cérebro, diz estudo

Estudos mostram que aprender música antes dos sete anos provoca alterações cerebrais como aumento de sinapses e do tamanho do corpo caloso (região que faz a conexão entres os hemisférios). Isso melhora a capacidade de adaptação a novas condições e ajuda a reorganização cerebral, na eventualidade de alguma lesão.

A música estimula diferentes áreas cerebrais, levando a um melhor raciocínio espacial e matemático, além de maior habilidade verbal e coordenação motora.

 

A neurologista Paula Viana Wackermann frisa que é preciso estimular o cérebro sempre, mas, na infância, ele está mais maleável. Quanto mais cedo começa esse investimento, maior será o saldo positivo e maior a capacidade de assimilar novidades.

 

O compositor Paulo Tatit, criador do selo de música infantil Palavra Cantada ao lado de Sandra Peres O selo de música infantil Palavra Cantada, criado em 1994 por Sandra Peres e Paulo Tatit, é um sucesso entre crianças, pais e educadores.

 

Para Tatit, a música exerce um fascínio irracional na criança e deve ser levada como uma brincadeira. "Muitas vezes as letras não fazem sentido, ou são cantadas errado. Mas não faz mal, o beneficio está no ato em si."

 

Seus CDs e DVDs já venderam mais de 1 milhão de cópias. "São brincadeiras que estimulam o lado intuitivo das crianças. Quando mais velhas, se quiserem, elas podem aprender a música de maneira mais formal."

 

 

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/904454-cantoria-ajuda-a-reorganizar-cerebro-diz-estudo.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/904447-cantar-melhora-capacidade-pulmonar-fortalece-musculos-e-relaxa.shtml